Angola: o nosso maior problema é a fome e não a covid-19,perguntem as Nações Unidas!

Rádio Angola Unida (RAU) – 164ª Edição do programa “7 dias de informação em Angola”. Escute aqui: https://www.blogtalkradio.com/profkiluangenyc/2020/04/23/angola-pagamos-aos-clientes-para-nos-comprarem-o-petrleo

  • Angola defende um corte massivo da produção para a estabilização dos preços do petróleo no mercado internacional, avança o Jornal de Angola, em referência à reunião de emergência da OPEP+ que junta, esta quinta-feira, por vídeo-conferência os ministros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e os 10 produtores não associados liderados pela Rússia, entre outros. A expectativa dos mercados é que possa vir a ser acordado um corte de cerca de 10 milhões de barris por dia, número apontado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a semana passada e secundado pelo presidente russo, Vladimir Putin. “A posição angolana representa uma escolha num espectro em que, em oposição a uma tão elevada redução, que tem subjacente um pesado corte da quota de produção do país, está a prevalência do petróleo barato, um estorvo para as finanças públicas e as reformas tentadas pelo Governo”, refere o jornal angolano. Que lembra que, no último corte da produção de petróleo decidido pela OPEP e aliados, em dezembro, “Angola obteve dos parceiros o privilégio de manter a sua quota de produção em 1,481 milhões de barris por dia”. O jornal refere fontes oficiais para garantir que o país não poderá defender na reunião de hoje “outra coisa que não seja a estabilização dos preços”. Só possível com uma redução drástica da produção, à medida que a pandemia da covid-19 vai paralisando as principais economias mundiais, fazendo com que o excesso de petróleo inunde os mercados e faça cair os preços. A semana passada, o preço do barril chegou a baixar dos 20 dólares, o que, para um país como Angola, onde os custos de produção de petróleo se situam em cerca de 25 dólares, adianta o mesmo jornal, constitui uma “angústia”.

-Em fase de carência de produtos da cesta básica, o Governo angolano lamenta a falta de projetos realistas na cadeia produtiva, mas operadores privados rejeitam o ónus de um problema a afetar milhares de famílias no país. Nem mesmo o programa de apoio ao crédito (PAC), criado para dinamizar a produção interna e abrir caminhos para as exportações, está a desatar o nó que embaraça as autoridades e o sector empresarial privado. A fuba de milho, a base da alimentação dos angolanos, chega a custar 800 kwanzas, contra os 100 kwanzas que o cidadão desembolsava por cada quilograma. Não haverá exemplo mais consistente para ilustrar o que analistas chamam de falência da cadeia de produção, visível nas declarações da comerciante Luísa António, vendedora de produtos diversos num mercado informal. ‘‘Acho que não teria necessidade de estar assim muito elevado, o quilo de milho está caro. Também o feijão, o arroz e o açúcar. As pessoas reclamam, mas por causa da fome acabam por comprar’’, indica a vendedora. Agarrado ao Prodesi, o muito falado programa de incentivo à produção nacional e substituição das importações, o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), tutelado pelo Ministério da Economia, acena com mais de 300 mil milhões de Kwanzas para o crédito. O problema, segundo o diretor do seu gabinete de fiscalização, Bonifácio Sessa, é que o setor privado não apresenta projectos realistas e financiáveis. ‘’Ainda há poucos projetos aprovados. Há necessidade de os bancos comerciais procederem à aprovação de projectos e remeterem ao BDA, que vai dar cobertura a uma certa percentagem’’, explica aquele gestor.

  • As Nações Unidas recomendam ao Governo angolano que reforce a proteção social e adote medidas que permitam a continuidade da atividade económica das micro e pequenas empresas e do setor informal, no âmbito da resposta à pandemia de covid-19. Estas ações constam de um conjunto de políticas e recomendações apresentadas num estudo sobre o impacto socioeconómico da pandemia em Angola, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a agência das Nações Unidas para a Habitação (UN Habitat). O estudo salienta que Angola enfrenta uma recessão económica prolongada, volatilidades no preço do petróleo, crescimento da vulnerabilidade fiscal e externa, crescimento da pobreza e do desemprego e acesso limitado aos serviços sociais básicos. Sugere, por isso, “ações imediatas” em termos de resposta e recuperação face à pandemia, incluindo iniciativas para aliviar os impactos negativos sobre os grupos mais vulneráveis, como desempregados e trabalhadores informais – em especial mulheres – e pessoas que vivem em áreas altamente concentradas ou sem acesso a serviços básicos. Em Angola, “a insegurança alimentar aumentou devido à seca nas províncias do sul e o afluxo de refugiados da República Democrática do Congo”. “No país de 31,8 milhões (de habitantes), mais de 562 mil (pessoas) foram afetadas. Cerca de 272 mil viviam em situação de crise e 290 mil em emergência. Mais de 8% das crianças com menos de cinco anos sofriam de desnutrição grave e perto de 30% tinha problemas de crescimento”, destaca o relatório sobre Angola, apontando que “a melhoria das condições de seca” deveria “ajudar as pastagens e aumentar as perspetivas de produção agrícolas” angolanas.
  • O Governo angolano aprovou três acordos de financiamento com instituições multilaterais no valor total de 103,2 milhões de euros para apoiar o projeto de melhoria da resiliência dos pequenos produtores, segundo um despacho presidencial. O diploma, datado de 20 de abril, salienta que os acordos surgem no âmbito da diversificação das fontes de financiamento “para a prossecução de objetivos económicos e sociais e interesse público indispensáveis ao desenvolvimento nacional”. Foram aprovados acordo com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) no valor de 26,2 milhões de euros e com a Agência Francesa de Desenvolvimento no total de 40 milhões de euros. Foi igualmente assinado um acordo com o Banco Árabe para o Desenvolvimento Económico de África (BADEA), num montante de 40 milhões de dólares (37 milhões de euros) no âmbito da materialização do programa de melhoria da segurança alimentar e nutricional das comunidades-alvo. Este programa está enquadrado no Plano Nacional de Desenvolvimento de Angola 2018-2022.
  • O Governo angolano determina a cobrança de até 60% do valor da propina mensal nas instituições privadas de ensino, enquanto durar o estado de emergência devido à covid-19, sendo que as escolas comparticipadas devem cobrar até 25%. Em decreto conjunto a que a Lusa teve hoje acesso, os ministérios das Finanças, Educação e do Ensino Superior, referem que sem prejuízo aos ajustes pertinentes aos calendários escolares, as propinas pagas “devem ser parte integrante do pagamento dos dez meses previstos em cada ano letivo”. Os órgãos ministeriais assinalam que “não poderá ser cobrada qualquer prestação adicional” enquanto vigorar o estado de emergência. Segundo o decreto, enquanto durar estado de emergência, cuja segunda fase de 15 dias termina no próximo sábado, as instituições que prestam serviços de educação e ensino “devem criar condições para facilitar os pagamentos por operações bancárias automáticas” para “evitar a aglomeração de pessoas, nos termos recomendados palas autoridades sanitárias”. Angola regista 24 casos positivos do novo coronavírus, nomeadamente 16 casos ativos, seis recuperados e dois óbitos. A Associação Nacional do Ensino Particular (ANEP) angolana defendeu na semana passada o pagamento de propinas”, apesar da suspensão das aulas devido à covid-19, considerando que os encarregados de educação são “financiadores do setor” e “garante dos salários dos professores”. Em declarações à Lusa, o presidente da ANEP, António Pacavira, considerou que decreto sobre o estado de emergência salvaguarda os empregos dos trabalhadores, incluindo os professores, considerando uma “medida humanista das autoridades”, sobretudo pós coronavírus.
  • João Lourenço, ordenou esta terça-feira a suspensão da execução dos contratos públicos já celebrados e dos procedimentos de contratação pública sem financiamento assegurado. O Presidente de Angola justifica estas medidas em função da descida do preço do petróleo e do impacto da pandemia de covid-19. Através de um decreto presidencial é explicado que entre a várias ações previstas para atenuar os efeitos deste dois problemas “consta a cativação de 30% das despesas da categoria de bens e serviços, suspensão de parte das despesas de capital que não tenham financiamento garantido e das despesas de apoio ao desenvolvimento que não sejam de caráter prioritário e estrutural”. Assim, o decreto presidencial que foi conhecido esta terça-feira, 21 abril, ordena a suspensão “de todos os contratos no âmbito do Programa de Investimento Público cuja fonte de financiamento não se encontre assegurada” assim como de “todos os contratos de caráter não prioritário e estrutural no âmbito das despesas de apoio ao desenvolvimento sem financiamento garantido”. De fora desta suspensão ficam os setores da saúde, educação e ação social, bem como os relativos ao abastecimento logístico e saneamento básico, desde que a “fonte de financiamento se encontre previamente assegurada”. João Lourenço considera que esta suspensão é fundamental para que o Estado não acumule pagamento atrasados, sendo também uma forma de “evitar a criação de falsas expectativas de pagamento a fornecedores do Estado tendo em conta as limitações atuais de tesouraria”.

Perguntas e sugestões podem ser enviadas para Prof.kiluangenyc@yahoo.com. RAU – Rádio Angola Unida -Uma rádio ao serviço dos angolanos, que não têm voz em defesa dos Direitos Humanos e Combate a Corrupção, em prol de um Estado Democrático e de Direito, apostando no Desenvolvimento sustentável e na dignidade do povo soberano de Angola.

Author: angolatransparency

-Impulsionar os cidadãos angolanos a questionarem como o erário público é gerido e terem a capacidade de responsabilizar os seus maus gestores de acordo com os princípios estabelecidos na Constituição da República --Boost the Angolan citizens to question how the public money is managed and have the ability to blame their bad managers in accordance with the principles laid down in the Constitution of the Republic-------------- Prof. N'gola Kiluange (Serafim de Oliveira)

One thought on “Angola: o nosso maior problema é a fome e não a covid-19,perguntem as Nações Unidas!”

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.