Angola: ninguém vai p’ra cadeia e …por fim… haverá uma solução política no diferendo entre o poder financeiro vs. poder político/militar

  • Rádio Angola Unida (RAU) – 152ª Edição do programa “7 dias de informação em Angola”, apresentado no dia por Serafim de Oliveira com análises e comentários de Carlos Lopes:
  • O investigador britânico Justin Pearce considerou à Lusa que a empresária angolana Isabel dos Santos dificilmente vai a julgamento em Luanda porque vai evitar entrar em qualquer país que tenha acordo de extradição com Angola. Ela claramente tem acesso a excelentes advogados, e acho que vai ser muito cuidadosa e não entrar em qualquer país com o qual Angola tenha um acordo de extradição”, disse o académico, vincando que o problema põe-se também do lado de Angola. Entretanto, PGR de Angola enviou um pedido de cooperação judiciária a Portugal para notificar a empresária angolana e outros três arguidos portugueses da condição de arguidos no processo crime aberto por suspeitas de desvio de fundos, branqueamento, falsificação de documentos e abuso de poder. Também, empresária angolana Isabel dos Santos revelou esta segunda-feira que vai avançar com ações em tribunal contra o consórcio de jornalistas que divulgou a investigação “Luanda Leaks”, reafirmando a origem lícita dos investimentos que fez em Portugal. “Refuto as alegações infundadas e falsas afirmações e informo que deram início as diligências para as ações legais contra a ICIJ [Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação) e parceiros da ICIJ, as quais serão conduzidas pela empresa internacional de advogados Schillings Partners”, revelou, em comunicado enviado à agência Lusa, Isabel dos Santos. Mas, parcialmente detida pelo marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, a joalheira suíça De Grisogono declarou esta quarta-feira a falência – ditada pelo acumular de dívidas e por não ter surgido um comprador. A decisão, que é conhecida na esteira das notícias sobre a investigação Luanda Leaks, vai ser comunicada nas próximas horas aos trabalhadores. Recorde-se que na última semana o procurador-geral de Angola, Hélder Pitta Gróz, revelou, em entrevista à agência Lusa, que a joalheira suíça se encontrava sob a lupa das investigações judiciais em Angola. Designadamente o financiamento da Sodiam, diamantífera estatal, com o equivalente a 180 milhões de euros, com vista à aquisição da De Grisogono.

  • As perspetivas para a inflação em Angola mantêm-se negativas nos próximos meses, estimando-se que chegue aos 24% no final de 2020, segundo o gabinete de estudos económicos do Banco Fomento Angola (BFA). Anota informativa a que a Lusa teve acesso refere que a inflação homóloga, que foi de 16,9% em dezembro, deverá ir subindo gradualmente “em resultado dos efeitos desfasados da significativa depreciação em outubro, devendo chegar perto dos 24% no final de 2020”. Em resultado disso, a política monetária deverá manter-se restritiva, servindo igualmente para conferir estabilidade ao mercado cambial. “O Banco Nacional de Angola (BNA) continua a manter um equilíbrio delicado entre a política cambial e a política monetária, sendo que as atuais perspetivas para a inflação nos próximos meses são negativas, não dando margem para qualquer alívio”, diz a nota. O documento adianta ainda que “as atuais ferramentas são adequadas para lidar com a gestão da liquidez, com o BNA a regular a cedência de liquidez ao mercado consoante considera necessário para um normal funcionamento do mesmo”. Se as perspetivas se agravaram, “as mudanças deverão ocorrer ao nível das reservas obrigatórias, mas tal não parece provável para já”. Na segunda-feira, após a reunião do Comité de Política Monetária, o BNA decidiu manter inalterados os vários instrumentos de política monetária, com a taxa de juro nos 15,5% e o coeficiente de reservas obrigatórias em moeda nacional nos 22%, sendo 15% para moeda estrangeira. Uma decisão “consistente com a atuação recente do BNA, ao manter uma política monetária restritiva, acompanhando a pausa nas descidas da taxa de referência por ferramentas mais diretas (e eficazes) de restrição da liquidez”.

  • O Tribunal de Contas angolano está a auditar as contas da direção cessante do Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional (CPPPN) angolano, mergulhado em “elevadas dívidas” que levaram à hipoteca do seu património. Na sua intervenção, o também superintendente-chefe da polícia angolana considerou que a gestão cessante deixou a instituição “completamente endividada” com os “cofres vazios e numa situação “dramática e catastrófica”. Segundo o dirigente, que aponta uma nova era para o CPPPN, com a “abertura, proximidade e serviço” aos associados como divisas, a nova gestão reestruturou já o quadro orgânico e do pessoal e “dinamizou” o processo da pensão da reforma complementar e subsídios.

  • A consultora Economist Intelligence Unit (EIU) considerou que a revisão da pauta aduaneira de Angola deve beneficiar os setores locais da construção e da manufatura, mas as tarifas não aduaneiras impedem melhorias mais expressivas. Os custos de importação mais baixos devem ajudar a estimular os setores da construção e da manufatura, que estagnaram devido à fraca economia, resultando num enfraquecimento do kwanza e numa falta de moeda estrangeira, tornando os pagamentos no estrangeiro difíceis”, escrevem os analistas num comentário às alterações à pauta aduaneira, que entraram em vigor em 29 de dezembro. No comentário enviado aos investidores pela equipa de analistas da revista britânica The Economist, e a que a Lusa teve acesso, lê-se que “a existência de muitas barreiras não tarifárias, como os cortes de energia, a excessiva burocracia, a corrupção endémica e a falta de mão de obra qualificada, vai precisar de ser resolvida para serem dados passos tangíveis de melhoria que ajudem o ambiente empresarial e aumentem a confiança dos investidores”

Perguntas e sugestões podem ser enviadas para Prof.kiluangenyc@yahoo.com. RAU – Rádio Angola Unida -Uma rádio ao serviço dos angolanos, que não têm voz em defesa dos Direitos Humanos e Combate a Corrupção, em prol de um Estado Democrático e de Direito, apostando no Desenvolvimento sustentável e na dignidade do povo soberano de Angola.

Escute aqui:

https://www.blogtalkradio.com/profkiluangenyc/2020/01/31/angola-invaso-a-privacidade-pode-ilibar-isabel-dos-santos-de-todas-pragas

Author: angolatransparency

-Impulsionar os cidadãos angolanos a questionarem como o erário público é gerido e terem a capacidade de responsabilizar os seus maus gestores de acordo com os princípios estabelecidos na Constituição da República --Boost the Angolan citizens to question how the public money is managed and have the ability to blame their bad managers in accordance with the principles laid down in the Constitution of the Republic-------------- Prof. N'gola Kiluange

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.