Angola: incapacidade do BNA controlar o nosso sistema finaneiro e Pessoas Politicamente Expostas afugentam bancos correspondentes no país

0,c44b5495-93d1-4beb-8493-f2333287f66e--r--MzUweDI1MA==

Rádio Angola Unida (RAU) – 139ª Edição do programa “7 dias de informação em Angola”,apresentado no dia 10-24-2019 por Serafim de Oliveira com análises e comentários de Carlos Lopes:

– O volume de negócios bilateral [entre a Rússia e Angola] aumentou 42% nos últimos sete meses, atingindo 34,8 milhões de dólares”, indicou Yuri Ushakov, porta-voz de Putin, citado pela agência estatal russa de notícias Tass. Uma área importante da cooperação entre os dois países é a da indústria mineira, nomeadamente, a da exploração de jazidas de diamantes – a empresa russa Alrosa é cofundadora da principal empresa angolana de extração de diamantes, a Catoca

– e Ushakov revelou que os dois países estão a desenvolver um “programa de cooperação no domínio da geologia e mineração até 2025”, segundo a TASS. No âmbito da cimeira Rússia-África, segundo uma nota da Casa Civil do presidente angolano, “constam da missão presidencial em território russo a assinatura de acordos bilaterais em diversos domínios, como o da formação de quadros e a implementação de uma indústria de fertilizantes em Angola”.
– O analista da consultora Focus Economics que acompanha Angola disse que o principal fator a determinar a evolução económica é a “capacidade e vontade” de aprofundar a diversificação económica. Para o analista, “com as exportações petrolíferas a caírem para mínimos de uma década este ano, num contexto de preços do crude baixos e fraca produção interna, uma subida da produção do setor não petrolífero é vital para garantir uma recuperação sustentada”. Além da diversificação económica, Almanas Stanapedis elegeu a corrupção e a relação com a China como os outros dois fatores mais importantes para o futuro do país. “A motivação do Presidente João Lourenço contra a corrupção e os esforços para atacar a desigualdade e a pobreza é outros dos assuntos mais importantes”, apontou o analista, considerando que “ainda é cedo para dizer se o derradeiro objetivo é consolidar o poder ou atacar sistematicamente os dirigentes corruptos em todas as camadas do Governo”. O analista destacou que a relação com a China também será determinante no futuro. “A China é uma fonte essencial de capital estrangeiro em Angola, tendo investido mais de 30 mil milhões de dólares [26,8 mil milhões de euros] no país, o que lhe dá uma considerável alavancagem económica e política”, afirmou o analista da Focus Economics.

– A ministra da Ação Social, Família e Promoção da Mulher angolana disse hoje que o país registou uma redução no nível de pobreza, passando dos 36,6% em 2017, para os atuais 29%, com uma meta de 25% até 2022. Faustina Alves falava à imprensa no final de um encontro promovido hoje, em Luanda, pela ONU sobre a redução da pobreza, no âmbito das celebrações do dia das Nações Unidas. A governante angolana considerou “muito bom” que Angola comece a reduzir os seus níveis de pobreza, enaltecendo o encontro de troca de informações e análise de estratégias para se atingir a meta dos 25%, de acordo com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

– As autoridades angolanas anunciaram hoje que, nos primeiros nove meses de 2019, registaram doações avaliadas em 4,7 milhões de dólares (4,2 milhões de euros), nomeadamente de bens alimentares e equipamentos, “destinados ao apoio institucional” e projetos das organizações não-governamentais. Segundo a diretora geral do Instituto de Promoção e Coordenação de Ajuda às Comunidades (Iprocac), Anabela Sampaio, as doações são provenientes de organizações internacionais, agências das Nações Unidas, igrejas e organizações não-governamentais (ONG) nacionais e estrangeiras que desenvolvem atividade em território angolano. A instituição pública angolana, tutelada pelo Ministério da Ação Social, Família e Promoção da Mulher, registou igualmente, nos anteriores nove meses, a redução de 29 ONG estrangeiras, menos 28 em comparação com o período homólogo. “Em contrapartida, em relação às ONG angolanas houve um aumento de 337 para 366”, disse Anabela Sampaio, durante um encontro com as organizações não-governamentais angolanas e estrangeiras, em Luanda.

Perguntas e sugestões podem ser enviadas para Prof.kiluangenyc@yahoo.com. RAU – Rádio Angola Unida -Uma rádio ao serviço dos angolanos, que não têm voz em defesa dos Direitos Humanos e Combate a Corrupção, em prol de um Estado Democrático e de Direito, apostando no Desenvolvimento sustentável e na dignidade do povo soberano de Angola. Os programas da Rádio Angola Unida (RAU) são apresentados e produzidos em Washington D.C.

Escute aqui:
https://www.blogtalkradio.com/profkiluangenyc/2019/10/24/angola-incapacidade-do-bna-ppe-afugetam-bancos-correspondentes-em-angola

Author: angolatransparency

-Impulsionar os cidadãos angolanos a questionarem como o erário público é gerido e terem a capacidade de responsabilizar os seus maus gestores de acordo com os princípios estabelecidos na Constituição da República --Boost the Angolan citizens to question how the public money is managed and have the ability to blame their bad managers in accordance with the principles laid down in the Constitution of the Republic-------------- Prof. N'gola Kiluange (Serafim de Oliveira)

One thought on “Angola: incapacidade do BNA controlar o nosso sistema finaneiro e Pessoas Politicamente Expostas afugentam bancos correspondentes no país”

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.