Angola: Uma Sociedade Civil e uma Força Insubstituível

0,,16211367_303,00Angola: Uma Sociedade Civil e uma Força Insubstituível

Por: Prof. N’gola Kiluange

*Hoje, no entanto, o líder máximo do MPLA aparece com uma nova artimanha maquiavélica : fazer um compasso de espera do desenrolar dos maiores eventos internacionais, amortecendo assim quaisquer perguntas relativas a sua sucessão dentro de seu partido ou Presidência da República.

Washington D.C – Sempre que se sente pressionado nacional ou internacionalmente, José Eduardo dos Santos recorre-se ao ” uso abusivo” do nosso erário público e recursos minerais como sua melhor fonte de salvação.

É aqui, precisamente, que reside o nosso maior perigo – termos permitido a um único indivíduo consolidar em suas próprias mãos o controle absoluto do nosso erário público e de todas as estruturas governamentais e estatais.

Dos Santos governa Angola igualito ao modo como Leonid Ilitch Brejnev fazia com a ex-URSS … no seu ” chornie kniga” (livro-preto, em russo), o nosso autoproclamado Presidente da República tem os nomes e os juramentos pessoais dos seus respectivos subordinados…

Cada membro do seu governo ou partido, principalmente, em lugares estratégicos, só a si presta contas e faz consultas se necessário for…

Não se duvida, por exemplo, que o chefe do Serviço de Inteligência e de Segurança do Estado (SINSE) tenha noção alguma das funções reais do presidente do Conselho da Administração do Sonangol e vice-versa!, porque as suas respectivas orientações são confidenciais e incompartilháveis!

Em Moscovo, no entanto, quando os membros do Bureau Político da ex-PCUS ( Partido Comunista da União Soviética )se aperceberam dos erros fatais cometidos por Brejnev, a realidade foi tão amarga e dura de engolir…resultado, nem a sucessão às pressas de dirigentes desse partido conseguiu salvar a dinastia soviética… e naturalmente que o regime de Eduardo dos Santos não está imune a esse destino!…

É do domínio público, por exemplo, que o general António dos Santos França “Ndalu”, Pierre Falcone,Lev Leviev, etc., negociaram, em nome de José Eduardo dos Santos, a cabeça de Jonas Malheiro Savimbi com certos políticos e companhias petrolíferas norte-americanas…em troca de fornecimento do nosso petróleo a preço barato.

Se esses políticos e petrolíferas norte-americanas tivessem conhecimento do envolvimento directo de Eduardo dos Santos,Pierre Falcone, Arcadi Aleksandrovich Gaydamak, Xu Jinghua, etc., no negócio rentável de armas durante a nossa guerra civil e que foi mais tarde conhecido por escândalo “Angolagate”, era uma vez…

Se nessa altura houvesse uma sociedade civil e cívica – de forte expressão em Angola e nos Estados Unidos, principalmente, o curso da nossa histórica teria tomado um outro percurso menos violento e talvez mais reconciliador…porque aos olhos do público americano e do mundo em geral estariam expostos todos segredos e maldições do regime de Dos Santos…

Hoje, no entanto, o líder máximo do MPLA aparece com uma nova artimanha maquiavélica : fazer um compasso de espera do desenrolar dos maiores eventos internacionais, amortecendo assim quaisquer perguntas relativas a sua sucessão dentro de seu partido ou Presidência da República.

Manterá tal posição quanto mais puder e se necessário for até ao próximo período eleitoral de 2017… Mas, tudo vai depender de outros pontos fulcrais globais que possam exigir um maior engajamento e cooperação da administração Obama e do governo de Putin.

A nível nacional, o cenário de instabilidade agudizar-se-á em função da crise financeira, aumento da dívida nacional, incapacidade de prestação e pagamentos de serviços públicos por parte do governo… E tudo isso poderá acender ainda mais manifestações contra má gestão dos dinheiros públicos, abusos excessivos de direitos humanos,etc..

A maior ameaça à nossa pseudo-democracia reside na contestação à ditadura de José Eduardo dos Santos próprio do MPLA…

Mas, o ex-estudante do curso de contrainteligência para interceptação de sinais de comunicações, radares e transmissão de dados numa das ex-academia militar nos arredores de Moscovo, não hesitará em transformar Angola num palco de confronto militar entre os Estados Unidos e Rússia – se não for substituido por seu filho!

Até que ponto os governos americanos e da União Europeia estarão prontos para contrapor o uso de armas de fogo se assim José Eduardo dos Santos optar por utilizar contra os defensores dos direitos humanos, cidadãos indefesos?

Aliás, não nos esqueçamos que Angola ainda continua a ser o último bastião de Moscovo em África – é só olharmos para quem comercializa 90% dos nossos diamantes, tem controle ilimitado dos nossos serviço de telecomunicações, fornece productos e armamentos militares tecnologicamente sofisticados, mentores de contra-inteligência militar, etc…

Assim, José Filomeno de Sousa dos Santos, “Zenu”, aparece como o único garante que poderá oferecer segurança e proteção ao sistema criado pelo seu próprio pai…

Com Zenu nas rédeas do poder, Eduardo dos Santos conseguirá livrar-se de todas as possíveis acusações e crimes que lhe recaem e , sem dúvida alguma, terá imunidade vitalícia!?

Há aqui duas questões que devemos ter em mente:
1.) A sociedade civil angolana precisa de se unir e levar as suas vozes para lá onde o crime é cometido contra si. Isso exige muita força de vontade e pró-ação abnegada.
2.) É preciso que saibamos diferenciar claramente a “obrigação cívica” vs. “obrigação política”…porque, antes de tudo, somos cidadãos perante a constituição e a Pátria angolana.

Logo, defender, respeitar e preservar a nossa Pátria ,como um dos seus únicos e legitimos proprietários – é uma obrigação cívica ou moral!

A única forma de pormos fim ao fiasco de (des)governação política do regime de Eduardo dos Santos – é expor-lhe constantemente aos olhos do mundo em geral e da America em especial, através da media e sociedade cívica dos Estados Unidos.

As nossas organizações cívicas e políticas devem eleger representantes para participarem nas conferência anuais do Banco Mundial,Fundo Monetário Internacional (FMI),companhias petroliferas e diamantiferas americanas, importantes reuniões das instituições civicas dos Estados Unidos e União Europeia, Nações Unidas, etc.

Devemos saber e conhecer perfeitamente os nomes das empresas que fazem lobby para o governo angolano em Washington DC, Londres e Paris, principalmente, as suas cláusulas contratuais …

Contudo, o Presidente da República deve partilhar com a Nação os moldes contratuais que levaram a vinda de mais de 500 mil chineses ao nosso território nacional e data prevista para o seu regresso…

Revelar os nomes dos verdadeiros proprietários das seguintes empresas :Ediama Sonangol, China Sonangol Finance International Ltd.,China
Sonangol Gas International Ltd.,China Sonangol International Ltd.,China Sonangol International Holding Ltd.China Sonangol Natural Resources International Ltd., China Sonangol International Investment Ltd., China Sonangol Natural Resources International Ltd.,Sonangol Sinopec International Ltd, China Endiama International Limited, China sonangol singapore, China Sonangol Shanghai Petroleum Co Ltd, China Sonangol Wall Street, China Sonangol International Airlines.

Revelar os nomes dos verdadeiros assassinos de Isaías Cassule e Alves Kamulingue, Manuel Hilberto de Carvalho “Ganga”, Mfulumpinga Landu Victor ,Ricardo de Melo,etc.

Solução, neste momento só nos resta convocar urgentemente uma conferência nacional para debater os trâmites referentes a reforma compulsiva e imediata de José Eduardo dos Santos… criação de um governo de transição, comissão de conciliação nacional, etc. com a participação de todas as forças vivas da Nação. Tudo isso para prevenir que o país mergulhe num banho de sangue sem precedentes em toda sua história.
Prof. N’gola Kiluange
Prof.kiluangenyc@yahoo.com
Washington D.C

Author: angolatransparency

-Impulsionar os cidadãos angolanos a questionarem como o erário público é gerido e terem a capacidade de responsabilizar os seus maus gestores de acordo com os princípios estabelecidos na Constituição da República --Boost the Angolan citizens to question how the public money is managed and have the ability to blame their bad managers in accordance with the principles laid down in the Constitution of the Republic-------------- Prof. N'gola Kiluange (Serafim de Oliveira)

2 thoughts on “Angola: Uma Sociedade Civil e uma Força Insubstituível”

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: